segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

LUZ E ÁGUA DE GRAÇA

"Vetado o Projeto Monstrengo
    
A Câmara Municipal, em sua última reunião ordinária do corrente exercício, votou, ao apagar das luzes, projeto de lei isentando os vereadores, vice-prefeito e prefeito do pagamento das taxas de água, esgoto e luz.
Causou péssima impressão no seio da população que, pela primeira vez, viu os vereadores aprovarem um projeto de lei que, convertido em lei, seriam os próprios vereadores os beneficiados.
A revolta da população foi grande e, diante do clamor público, o sr. Prefeito não encontrou nenhuma dificuldade em opor seu veto a tão imoral projeto.
O sr. Prefeito Agostinho Loyolla Junqueira cumpriu com seu dever, vindo de encontro aos desejos da população.
Cumpre-nos declarar que se sua excelência sancionasse o monstrengo, o “O IDEALISTA” seria o pimeiro a declarar que havia conivência entre o prefeito e os vereadores para usufruirem tão mesquinho lucro.
Que êste fato sirva de exemplo para os administradores do Município, que usam e abusam do dinheiro e do patrimônio do povo, para cumprir promessas eleitoreiras, é o que desejamos.
O vereador deve estudar bem os projetos antes de votar, para não cair no ridículo e não prejudicar os munícipes, que lhes depositaram confiança".
  
Notícia publicada em 15 de dezembro de 1963, no jornal local “O Idealista”, cujo editor era Horácio de Paiva.
   

0 comentários:

Postar um comentário

Memória de Poços de Caldas é um trabalho cultural, sem fins lucrativos, e democrático. Aqueles que quiserem se comunicar diretamente com o autor podem fazê-lo pelo email rubens.caruso@uol.com.br .